terça-feira , 18 fevereiro 2020

Célula que poderá tratar qualquer tipo de câncer é descoberta de forma acidental

Cientistas do País de Gales publicaram estudo sobre novo tipo de ‘Célula T’

Os cientistas Andrew Sewell e Garry Dolton, da Universidade de Cardiff (Foto: Divulgação)

Um grupo de investigadores da Universidade de Cardiff, no País de Gales, encontrou de maneira acidental um novo tipo da “Célula T” – responsável pela defesa do organismo contra ameaças desconhecidas, como vírus e bactérias – que poderá atacar e destruir a grande maioria dos tipos de câncer.

A descoberta foi publicada na revista científica Nature Immunology e ainda não foi testada em doentes. No entanto, os investigadores acreditam que, embora o trabalho ainda esteja em estágio inicial, a descoberta tem “enorme potencial”, afirma a rede britânica BBC.

Os cientistas encontraram uma célula no sangue das pessoas que pode avaliar se existe uma ameaça a ser eliminada. Essa nova célula imune suporta um receptor que age como um gancho, que se agarra à maioria dos cânceres ao mesmo tempo que ignora as células saudáveis.

Descoberta acidental
Andrew Sewell, responsável pelo estudo, afirma que é “altamente incomum” encontrar uma célula com potencialidades terapêuticas assim tão vastas no combate ao câncer e que a descoberta aumenta a perspectiva de criar uma “terapia universal”.

“A nossa descoberta aumenta a perspectiva para os tratamentos contra o câncer. Esse tipo de célula pode ser capaz de destruir muitos tipos diferentes da doença. Antes, ninguém achava que isso fosse possível. Essa foi uma descoberta acidental, ninguém sabia que essa célula existia”, contou Sewell ao The Telegraph.

A equipe de investigadores descobriu que o novo tipo de célula T pode encontrar e matar grande diversidade de células cancerígenas, incluindo as presentes no câncer de pulmão, pele, sangue, mama, osso, próstata, ovário, rim e colo do útero.

Embora o processo como a célula ataca outras células ainda não seja compreendido, os cientistas acreditam que o receptor das células T interage com uma molécula, chamada MR1, que existe na superfície de todas as células do corpo humano.

“Somos os primeiros a descrever uma célula T que se encontra com a MR1 nas células cancerígenas. Isso nunca foi feito antes”, afirmou Gary Dolton, que participa da investigação, em entrevista à BBC. Com informações da Agência Brasil.

Veja Também

Brasil registra 16 casos suspeitos de coronavirus

Números foram atualizados pelo Ministério da Saúde CoronavírusFoto: Hector Retamal/AFP O Ministério da Saúde atualizou em 16 …

Brasil registra nove casos de suspeita de coronavírus

Até o momento, todos ainda aguardam resultado de exames, de acordo com o Ministério da …

Pernambuco se articula para bloquear coronavírus

Secretaria Estadual de Saúde deflagrou ações de vigilância da doença e já trabalha junta aos …

Não Me Perturbe: como bloquear ligações de bancos

Empresas e correspondentes bancários têm o prazo de 30 dias para interromper telefonemas. O Não …

Aborto foi a maior causa de morte em 2019, matando mais de 42 milhões

Ativista pró-vida segura um modelo de embrião durante protesto em Belfast. (Foto: Cathal Mcnaughton/Reuters) Mais …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *