domingo , 25 outubro 2020

Vacina brasileira contra a Covid-19 será testada in vivo pela Fiocruz

Teste será em modelo animal, na fase chamada de estudos pré-clínicos

Pesquisas para desenvolver uma vacina que combata o novo coronavírus são realizadas em todo mundo
Foto: Juan Mabromata / AFP

Uma vacina contra a Covid-19 será testada em seres vivos pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), por meio do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos). O teste será em modelo animal, fase de desenvolvimento chamada de estudos pré-clínicos. A informação foi divulgada em nota, nesta quarta-feira (10), pela Fiocruz. 

“A abordagem do projeto é de uma vacina sintética, com base em peptídeos antigênicos de células B e T – ou seja, com pequenas partes de proteínas do vírus capazes de induzir a produção de anticorpos específicos para defender o organismo contra agentes desconhecidos – neste caso, o Sars-CoV-2 [Covid-19]”, explicou a Fiocruz. 

Segundo o instituto, essas biomoléculas, identificadas em modelo computacional (in silico), foram produzidas por síntese química e validadas in vitro. Os peptídeos foram acoplados em nanopartículas, que funcionam como uma forma de “entrega”, para apresentar essas biomoléculas para o sistema imune com melhor imunogenicidade e ativar sua defesa. 

“As vantagens da abordagem vacinal sintética são a rapidez no desenvolvimento em comparação às metodologias tradicionais e o não requerimento de instalações de biossegurança nível 3 para as primeiras etapas de desenvolvimento (sendo necessárias somente a partir dos estudos pré-clínicos), bem como o custo reduzido de produção e a estabilidade da vacina para armazenagem”, detalhou a Fiocruz. 

A fundação explicou que, na próxima etapa, serão feitas formulações vacinais com essas biomoléculas acopladas em nanopartículas, para avaliação in vivo, onde serão obtidos os primeiros resultados relacionados à imunidade conferida ao novo coronavírus. 

“A partir dos resultados dos estudos pré-clínicos, parte-se para a fase dos estudos clínicos de fases I, II e III. De qualquer forma, mesmo em processo acelerado de desenvolvimento tecnológico e, obtendo resultados positivos em todas as etapas futuras, a vacina autóctone de Bio-Manguinhos/Fiocruz não chegará ao registro antes de 2022”, concluiu.

Por Agência Brasil

Veja Também

Médicos fazem alerta para aumento de casos de covid-19 no Recife

Alguns UTIs precisaram ser reativadas na rede particular Coronavírus (Pixabay) Profissionais de saúde ouvidos pela …

Nordeste pode ter segunda onda de Covid-19 nos próximos meses, alerta comitê

Amostras coletadas de pacientes com Covid-19 – Foto: Jeff Pachoud / AFP A segunda onda da pandemia …

Canhotinho-PE: CISTT realizou curso de capacitação para reconhecimento e notificação de intoxicação por agrotóxicos

A Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora do Conselho Municipal de Saúde …

Canhotinho-PE: “Quarto de princesa” – Projeto Social A.R.C.A. realiza sonho de jovem e reforma seu quarto

O Projeto Social A.R.C.A., localizado no Sítio Bulandeira, na área rural do município de Canhotinho-PE, …

STF confirma não ser obrigatório portar título de eleitor para votar

Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *