sexta-feira , 18 setembro 2020

Vendas do comércio crescem 5,2% de junho para julho, diz IBGE

Essa é a terceira alta consecutiva do indicador

Movimentação no comércio do Recife 
Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

O volume de vendas do comércio varejista teve alta de 5,2% na passagem de junho para julho deste ano, segundo dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgados nesta quinta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa é a terceira alta consecutiva do indicador, que cresceu 8,5% em junho e 13,3% em maio, e o melhor resultado para o mês, desde o início da série histórica, em 2000.

Segundo o IBGE, depois das quedas de 2,4% em março e de 16,6% em abril, devido à pandemia de covid-19, os três resultados positivos (maio, junho e julho) conseguiram recuperar as perdas com o isolamento social provocado pela doença.

O volume de vendas também teve altas de 8,7% na média móvel trimestral, de 5,5% na comparação com julho de 2019 e de 0,2% no acumulado de 12 meses. No acumulado do ano, no entanto, ainda apresenta queda (-1,8%).

Em julho, houve alta no volume de vendas em sete das oito atividades pesquisadas: livros, jornais, revistas e papelaria (26,1%), tecidos, vestuário e calçados (25,2%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (11,4%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (7,1%), combustíveis e lubrificantes (6,2%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (5,0%) e móveis e eletrodomésticos (4,5%).

O setor de supermercados, alimentos, bebidas e fumo manteve-se estável em relação ao mês anterior.

O varejo ampliado, que inclui também os segmentos de materiais de construção e de veículos e peças, cresceu, 7,2% na passagem de junho para julho. O setor de veículos, motos, partes e peças teve alta de 13,2%, enquanto material de construção avançou 6,7%.

“Como o indicador despencou de fevereiro até abril, a base ficou muito baixa e essa recuperação vem trazendo todos os indicadores para os níveis pré-pandemia. Alguns setores estão bem acima dos níveis de fevereiro, como móveis e eletrodomésticos (16,9% acima), hiper e supermercados (8,9%) e artigos farmacêuticos (7,3%), além dos materiais de construção (13,9%), no varejo ampliado”, afirma o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

O varejo ampliado também teve crescimentos de 11,2% na média móvel trimestral e de 1,6% na comparação com julho de 2019. Nos acumulados do ano e dos últimos 12 meses, no entanto, houve perdas de 6,2% e 1,9%, respectivamente.

A receita nominal do varejo teve altas de 5,7% na comparação com junho deste ano, de 8,6% na média móvel trimestral, de 8,8% em relação a julho do ano passado, de 1,4% no acumulado do ano e de 3% no acumulado de 12 meses.

Já a receita do varejo ampliado teve altas de 8,4% na comparação com junho deste ano, de 11,3% na média móvel trimestral, de 4,9% na comparação com julho de 2019 e de 0,7% no acumulado de 12 meses. No acumulado do ano, houve queda de 3,1%.

Por Agência Brasil

Veja Também

Auxílio emergencial terá mais quatro parcelas de R$ 300

Auxílio emergencial – Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil Em anúncio nesta terça-feira (1º), o presidente Jair Bolsonaro …

CARUARU-PE: FEIRA DE GADO SERÁ REALIZADA NESTA TERÇA, 01 DE SETEMBRO

Foto: Internet A Feira de Gado em Caruaru retomará nesta terça-feira (1°). Todos os protocolos de …

Pernambuco é o sétimo estado mais populoso do País e o segundo do Nordeste, segundo IBGE

Movimentação no comércio do Recife Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco Pernambuco é o sétimo estado mais …

CACHOEIRINHA-PE: ROTA 89 – A volta gastronômica ao “mundo” que virou cordel

Tudo começou nos Estados Unidos, logo após do Japão ao México, da Itália à França, …

Presidente confirma prorrogação do auxílio emergencial até dezembro

Foto: Reprodução / Internet O presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta sexta-feira (21), que o auxílio …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *