terça-feira , 18 janeiro 2022

Mundo não aprendeu com a pandemia de Covid-19, adverte relatório

Segundo o relatório, o segundo ano de pandemia está sendo marcado por “profundas desigualdades e um fracasso dos governantes em compreender nossa interdependência”

Diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus
 Foto: Christopher Black/OMS/AFP

Um ano e meio depois da explosão da pandemia de Covid-19, o mundo continua apresentando uma resposta insuficiente e não aprende com seus erros, advertiu nesta terça-feira (26) um organismo independente criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Banco Mundial.

“Se o primeiro ano da pandemia de Covid-19 foi definido por um fracasso colectivo em levar a sério a preparação e a agir rapidamente com base na ciência, o segundo foi marcado por profundas desigualdades e um fracasso dos governantes em compreender nossa interdependência e atuar em consequência”, afirma um relatório do Conselho de Monitoramento da Preparação Global (GPMB, na siglas em inglês).

A pandemia revelou um mundo “desigual, dividido e irresponsável”, afirma o relatório do organismo publicado em Berlim, no momento em que o número de mortes por Covid-19 se aproxima de cinco milhões, segundo o balanço da AFP.

Levando em consideração a mortalidade excessiva relacionada direta e indiretamente com a Covid-19, a OMS calcula que o número total de óbitos pode ser de duas a três vezes superior.

Das mais de seis bilhões de doses de vacinas administradas no mundo, apenas 1,4% foi aplicada em países pobres, denunciou no início do mês a diretora geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Ngozi Okonjo Iweala.

“O progresso científico durante a Covid-19, especialmente a velocidade de desenvolvimento das vacinas, é um motivo de orgulho”, afirma o copresidente do GPMB Elhadj As Sy no prefácio do relatório.

“Porém, devemos sentir uma profunda vergonha diante das múltiplas tragédias, como o acúmulo de vacinas, a devastadora escassez de oxigênio nos países de baixa renda, a geração de crianças privadas de educação, a desintegração das economias e a fragilidade dos sistemas de saúde”, completou o senegalês, especialista em ajuda humanitária.

As milhões de mortes provocadas pela pandemia “não são normais nem aceitáveis, mas lamentavelmente há poucas evidências de que aprendemos as lições corretas desta pandemia”, destacou.

O GPMB declarou em 2020 que a pandemia já havia revelado até que ponto o mundo não estava bem preparado para tais desastres, apesar das advertências de que grandes epidemias eram inevitáveis.

Por AFP

Veja Também

Canhotinho-PE: Com armações a partir de R$ 49,90, a C&C Ótica realiza seu próximo exame de vista no dia 23/01

A C&C Ótica estará realizando mais uma sessão de exames de vista. Os exames serão …

Covid-19: Cachoeirinha inicia vacinação de crianças menores de 11 anos nesta terça-feira

Inicialmente serão vacinadas as crianças com comorbidades e/ou deficiência permanente e será necessária apresentação de …

Canhotinho-PE: Lar Espírita acolhe diariamente dezenas de crianças – Saiba como você pode estar ajudando!

O Lar Espírita André Luiz (LEAL), localizado no município de Canhotinho-PE, está precisando de sua …

Polícia prende suspeito de matar menina Beatriz com 42 facadas, em Petrolina

A Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS-PE) chegou, nesta terça-feira (11), ao autor do …

Canhotinho-PE: Nelsinho Paquevira vira sensação e ganha contrato com o Kwai

O canhotinhense conhecido por Nelsinho Paquevira, natural do município de Canhotinho, no Agreste de Pernambuco, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *